Do tempo em que um abraço resolvia tudo.

Hoje voltámos a chatear-nos por miudezas. O que deviam ser momentos de partilha acabaram por se tornar um frete imenso. Dói-me pensar que compraste o raio do fato do casamento com aquele mood.
Já em casa, numa tentativa desesperada de fazer algo útil que fizesse valer o resto do dia, dei com esta música e respectiva reflexão.
… creio que traduz com grande intensidade a disponibilidade pedida a quem decide amar um outro, qualquer que esse outro seja.Em duas imagens simples – porque o belo é sempre simples – sintetiza a força impressionante e transformadora do amor gratuito, que tudo dá e pouco (ou nada) espera.

Revela, por um lado, o especial acolhimento à pessoa do outro e não ao ser que idealizamos. A aceitação e apoio da sua condição e das suas escolhas, que não perturbam o estatuto de ser “my favourite one in town” para quem o ama. O seu rei favorito. O seu palhaço favorito. O seu mendigo favorito.

Por outro lado, vai ainda mais longe ao evidenciar a firmeza que o amor exige para que seja possível fazer caminho no sentido do outro. Esta capacidade que nos é pedida de continuamente puxar pelo melhor de nós mesmos para irmos de encontro ao outro, nos lugares onde ele estiver. Esta disponibilidade para arriscar sair de si, superando-se e vencendo-se, para descobrir “some other way” de se implicar e fazer presente no momento do outro, em todos os seus momentos. Seja no vento. Seja no sol. Seja na chuva. Mas presente. Dádiva.

I have never loved someone the way I love you
I have never seen a smile like yours
And if you grow up to be king, or clown, or pauper
I will say you are my favourite one in town
I have never held a hand so soft and sacred
When I hear you laugh, I know heaven’s key
And when I grow to be a poppy in the graveyard
I will send you all my love upon the breeze
And if the breeze won’t blow your way, I will be the sun
And if the sun won’t shine your way, I will be the rain
And if the rain won’t wash away all your aches and pains
I will find some other way to tell you you’re okay
PS: Talvez entre com ela na Igreja. Espero que sorrias, então.